Mês de Combate à Cefaleia: evolução da doença e dos tratamentos

Mês de Combate à Cefaleia: evolução da doença e dos tratamentos

23 de maio de 2016
Em maio é celebrado o Dia Nacional de Combate à Cefaleia (19/05), popularmente conhecida como dor de cabeça e que faz parte da rotina de mais de 10 milhões de brasileiros, segundo a Sociedade Brasileira de Cefaleia. São classificadas pelo menos 150 tipos de dores de cabeça, sendo as mais frequentes a cefaleia tensional, cefaleia em salvas e a enxaqueca crônica. Entre os fatores que podem estimular a ocorrência das crises de dor de cabeça em enxaquecosos estão: o estresse e a ansiedade, o jejum prolongado, as alterações no sono – como a privação ou o excesso, a ingestão de alimentos industrializados que contenham embutidos e outros componentes artificiais e o consumo de álcool. Por isso, com a vida cada vez mais agitada, alguns hábitos alimentares e comportamentais têm colaborado para o aumento das crises de dor de cabeça, da automedicação e, consequentemente, dos casos de enxaqueca crônica – caracterizada por dores recorrentes durante 15 dias ou mais no mês, por três meses seguidos. Para o neurologista membro da Academia Brasileira de Neurologia e da American Academy of Neurology, Dr. Leandro Calia (CRM SP-63628), a enxaqueca crônica representa enorme custo na vida pessoal, profissional, afetiva, social e econômica do indivíduo. “São inúmeros os estudos científicos que demonstram o impacto da doença na vida das pessoas através de faltas ao trabalho, bem como perda do rendimento nas atividades pessoais e profissionais”. Faça agora o teste de impacto da enxaqueca Realize o teste e descubra, em poucos minutos, como a dor de cabeça impacta sua vida pessoal e profissional. Realizar o teste siga-nos nas Redes Sociais O médico destaca o impacto das cobranças e a pressão do cotidiano nas ocorrências de dor de cabeça, advertindo que embora seja comum o aumento de crises devido a estes fatores, não é normal sentir dor e por isso ela não deve ser negligenciada e automedicada sem avaliação de um especialista.  “São atitudes como esta que fazem crescer a estatística da enxaqueca crônica e que uma vez instalada, compromete a qualidade de vida do indivíduo”, comenta Dr. Calia. O especialista explica que existem dois tipos de tratamento para a enxaqueca crônica: sintomático (composto por analgésicos bem orientados para a cessão imediata da dor) e preventivo (composto de fármacos específicos para evitar as crises, mudanças de hábitos alimentares e comportamentais, considerados gatilhos de dor) e aplicação da Toxina Botulínica A. “Apesar de a toxina ter custo mais elevado em relação ao tratamento medicamentoso, é preciso considerar que sua aplicação acontece a cada três meses, revelando um bom custo-benefício, especialmente pela ótima tolerabilidade e baixíssimos índices de eventos adversos”, completa o neurologista. Importante: quanto mais multidisciplinar for o tratamento, melhor será o resultado do paciente, lembrando que cada pessoa responde de forma diferente a cada medicação e demais terapias, que devem ser moduladas segundo sua evolução.  O texto acima possui caráter exclusivamente informativo. Jamais realize qualquer tipo de tratamento ou se automedique sem a orientação de um especialista.
Icone de uma doutora
Encontre um médico

Encontre os médicos especialistas, membros da Sociedade Brasileira de Cefaleia

fazer busca por médico
Icone de uma prancheta com desenho de batimento cardiaco
Sintomas

Entenda e aprenda a detectar os sintomas da enxaqueca e da enxaqueca crônica.

Conhecer sintomas
Icone de uma tratamentos
Tratamentos

Navegue pelos Tratamentos agudos e preventivos e recupere o controle da sua vida.

Conhecer tratamentos