Cefaleia tensional e enxaqueca não são iguais

Cefaleia tensional e enxaqueca não são iguais

29 de setembro de 2016
Segundo a Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBC) existem mais de 150 tipos de dor de cabeça, sendo duas delas as mais comuns e que mais geram dúvidas na população: a cefaleia tensional e a enxaqueca. Para explicar sobre as suas características consultamos um especialista no assunto, o neurologista pela Universidade de São Paulo (USP), Dr. José Geraldo Speciali (CRM SP-14531). Atingindo cerca de 70% dos homens e 88% das mulheres*, a cefaleia tipo tensional tem como sintoma a sensação de pressão ou aperto (não pulsátil) em toda a cabeça, geralmente ocorrendo mais ao final do dia, com intensidade de fraca a moderada, que não chega a impedir a pessoa de realizar suas tarefas diárias. Este tipo de cefaleia também não costuma se agravar com a realização de exercícios, a exemplo da enxaqueca. Como o próprio nome remete, a cefaleia tensional costuma estar associada a situações de estresse, ansiedade, tensão e depressão. Quando a pessoa ignora os limites do próprio corpo e se sobrecarrega de atividades, isso também pode ser determinante para o surgimento da dor, como explica o neurologista: “Quem abusa do estresse físico e emocional e fica à mercê do trabalho por horas, dias, sem pausa, sem lazer, está mais sujeito à cefaleia tensional”. A dor de cabeça tipo tensional também pode ser episódica ou crônica, sendo que a diferença entre elas se baseia no período de duração.  Cefaleia tensional episódica: ocorre pelo menos quinze dias no mês e dura de 30 minutos a sete dias. Cefaleia tensional crônica: ocorre em mais de quinze dias no mês por seis meses ou mais. “Em geral, a cefaleia tensional é mais fácil de controlar com medidas comportamentais simples como assistir a um bom programa de televisão, ler um livro, tomar um banho morno, praticar atividade física, dedicar-se ao convívio familiar, praticar algum hobby, viajar, entre outros”, indica Dr. Speciali. Faça agora o teste de impacto da enxaqueca Realize o teste e descubra, em poucos minutos, como a dor de cabeça impacta sua vida pessoal e profissional. Realizar o teste siga-nos nas Redes Sociais Especialmente para os casos episódicos, o tratamento não deve envolver medicamentos. “Como essa dor de cabeça está mais relacionada ao emocional, nós nos concentramos nas orientações para as mudanças de hábitos do paciente, inclusive, alertando-o sobre o perigo do uso abusivo de analgésico, que é muito comum e pode tanto agravar as dores de cabeça quanto omitir sintomas que apontam para problemas mais sérios, como AVC, coágulo cerebral, tumor, problema na vista, e assim por diante. Mesmo quando há indicação de medicamentos, eles visam mais o alívio do estresse do que a própria dor, ou seja, prioriza a causa e não a consequência”, esclarece o médico. Já a enxaqueca é conhecida por dores de cabeça mais agressivas. Elas se apresentam de forma latejante e pulsátil, geralmente em apenas um lado da cabeça e com intensidade que pode variar de moderada a intensa. Ela também pode surgir acompanhada de náusea (e até vômito), sensibilidade a som, luz, cheiro e movimento, sendo que este último pode até agravar as dores. Sua forma crônica também é determinada pela duração: 15 dias por mês por pelo menos três meses (veja mais aqui). Como se trata de uma alteração química cerebral mais complexa, a enxaqueca deve ser acompanhada de forma contínua por um neurologista que deverá recomendar um acompanhamento multiprofissional, orientará sobre as medicações preventivas da dor e as efetivas para as crises, bem como a necessidade de mudanças comportamentais para a prática de atividades físicas bem orientadas, alimentação funcional, entre outras terapias de apoio. Para todos os tipos de dor de cabeça, Dr. Speciali faz um alerta: “Automedicação nunca é uma boa saída. O consumo de mais de dez analgésicos por mês já determina abuso de medicamento e pode trazer sérias consequências ao seu organismo, a começar pela dependência cada vez maior da medicação que não trata mais alívio para as crises. Consulte o neurologista e trate adequadamente o seu tipo de dor de cabeça”. *Sociedade Brasileira de Celafeia = http://www.sbce.med.br/SBCe/index.php/pt-br/para-leigos/8-tipos-de-dor-de-cabeca?showall=1 O texto acima possui caráter exclusivamente informativo. Jamais realize qualquer tipo de tratamento ou se automedique sem a orientação de um especialista.
Icone de uma doutora
Encontre um médico

Encontre os médicos especialistas, membros da Sociedade Brasileira de Cefaleia

fazer busca por médico
Icone de uma prancheta com desenho de batimento cardiaco
Sintomas

Entenda e aprenda a detectar os sintomas da enxaqueca e da enxaqueca crônica.

Conhecer sintomas
Icone de uma tratamentos
Tratamentos

Navegue pelos Tratamentos agudos e preventivos e recupere o controle da sua vida.

Conhecer tratamentos